terça-feira, 28

de

setembro

de

2021

ACESSE NO 

Bolsonaro troca seis ministros e reabertura do Canal de Suez dominam manchetes dos jornais nesta terça-feira

Últimas Notícias

- Ads -

30 de março de 2021

 

 

O Globo

Pressionado, Bolsonaro cede ao Centrão e tenta controlar militares

Pressionado pelo Congresso, o presidente Jair Bolsonaro fez nesta segunda-feira a sua primeira reforma ministerial após mais de dois anos de governo. De uma única vez, fez seis mudanças em alguns dos seus principais ministérios e sacramentou a entrada do Centrão no Palácio do Planalto. As alterações atingem a Secretaria de Governo, Casa Civil, Relações Exteriores, Defesa, Justiça e Advogacia-Geral da União (AGU).

 

 

 

 

 

 

 

  • Mudança na Defesa desagrada às Forças
  • Aliada de Lira na articulação política
  • Delegado da PF assume Justiça
  • Ernesto deixa o Itamaraty
  • Enfermeiros denunciam falta de insumos
  • Pandemia causou uma em cada seis mortes no Brasil em 2020
  • Governo busca solução política para Orçamento
  • Desencalhe reconecta Ásia e Europa
  • Qatar: Seleções protestam contra violações dos direitos humanos no país-sede da Copa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Estado de S. Paulo

Ministro da Defesa cai por recusar uso político das Forças Armadas

Com popularidade em queda e sob pressão do Congresso para dar uma guinada no governo, o presidente Jair Bolsonaro demitiu o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, e fez mais cinco mudanças em seu Ministério. Azevedo foi dispensado porque se recusou a manifestar apoio das Forças Armadas a posições do presidente. Ele já desconfiava da troca por se opor a substituir o comandante do Exército, general Edson Pujol, que não quis se envolver em política, como desejava Bolsonaro. “Preservei as Forças Armadas como instituições de Estado”, escreveu Azevedo ao comunicar sua saída. O novo ministro da Defesa será o general da reserva Braga Netto, que ocupava a Casa Civil. Outro demitido sob a alegação de insubordinação foi o chefe da Advocacia-geral da União (AGU), José Levi, substituído pelo ministro da Justiça, André Mendonça. O presidente aceitou a demissão do chanceler Ernesto Araújo, exigência do Centrão, que será contemplado com a ida da deputada Flávia Arruda (PL-DF) para a Secretaria de Governo.

 

 

 

 

 

 

 

 

  • Hospital de SC decidirão quem vai para a UTI
  • Orçamento deve ter ‘pedalada’ por emendas cortada
  • Futebol expõe atleta à covid como médicos
  • Navio é desencalhado no Canal de Suez
  • EUA atrelam verbas a controle de desmate

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Folha de S. Paulo

Bolsonaro troca 6 ministros, afaga o centrão e surpreende militares

Sob pressão política do centrão, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou nesta segunda-feira (29) a troca da titularidade de seis ministérios.

A maior surpresa foi a demissão do ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva. Ele foi substituído pelo ministro da Casa Civil, Braga Netto. Para a Casa Civil, foi deslocado o general Luiz Eduardo Ramos, que estava na Secretaria de Governo.

A deputada federal Flávia Arruda (PL-DF) assume a vaga de Ramos, em um aceno de Bolsonaro ao bloco do centrão na Câmara, base de sustentação de Bolsonaro na Casa.

O presidente ainda anunciou Anderson Gustavo Torres, secretário da Segurança do Distrito Federal, como ministro da Justiça no lugar de André Mendonça, que volta para o comando da AGU (Advocacia-Geral da União) no lugar de José Levi.

Por último, foi confirmado o nome de Carlos Alberto Franco França no Itamaraty para a vaga ocupada por Ernesto Araújo.

 

 

 

 

 

 

  • Novo nome da Justiça é ligado à bancada da bala
  • Escolha de deputada visa Congresso em 2022
  • Diplomata discreto vai conduzir o Itamaraty
  • Estados aliados são privilegiados por emendas
  • Tensão na PM da Bahia passa por estresse e pressão
  • Por ameaça, Doria afirma que morará no Bandeirantes
  • Internações em UTIs de São Paulo desaceleram
  • Procuradora disse a Deltan que Lava Jato ajudou ‘Bozo’
  • Contra diretriz, estados alteram ordem do plano nacional de vacinação
  • Governador do Rio faz festa de aniversário durante a pandemia
  • Natura doa R$ 4 mi para a compra de doses
  • Canal de Suez é liberado