segunda-feira, 20

de

setembro

de

2021

ACESSE NO 

Bolsonaro pergunta até quando “vão ficar chorando?”, enquanto Estados seguem no limite em destaque nesta sexta-feira

Últimas Notícias

- Ads -

5 de março de 2021

 

 

Folha de S.Paulo

Pandemia mata como nunca, e Bolsonaro fala em‘mimimi’

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a criticar nesta quinta-feira (4) as medidas de isolamento social no país e disse que os problemas precisam ser enfrentados pela população.

“Nós temos que enfrentar os nossos problemas, chega de frescura e de mimimi. Vão ficar chorando até quando? Temos de enfrentar os problemas. Respeitar, obviamente, os mais idosos, aqueles que têm doenças, comorbidades, mas onde vai parar o Brasil se nós pararmos?”, questionou o presidente em São Simão (GO).

Em seguida, Bolsonaro publicou um texto em rede social que diz “Atividade essencial é toda aquela necessária para um chefe de família levar o pão para dentro de casa”, em mais uma fala contra o isolamento social.

 

 

 

 

 

 

  • Falta de doses atrasou vacinação de 400 mil pessoas
  • BNDES deu R$ 20 mi para firma de hidroxicloroquina
  • Presidente vê sua popularidade digital encolher
  • Cármen pediu por não soltura de Lula, disse Deltan
  • Bolsonaro segue a rota de Dilma pré-impeachment
  • PEC Emergencial passa pelo Senado e vai para a Câmara
  • PIB teve estimativa de alta de 2,5% a queda de até 6,6%
  • China mira EUA e economia para o pós-pandemia

 

 

 

 

 

 

O Estado de S.Paulo

‘Chega de frescura e mimimi’, diz Bolsonaro sobre pandemia

No dia em que o País bateu um recorde na média móvel de mortes que leva em consideração os últimos sete dias, com 1.361 óbitos em razão da covid-19, o presidente Jair Bolsonaro voltou a minimizar a pandemia. “Chega de frescura e de mimimi. Vão ficar chorando até quando? Temos que enfrentar os problemas”, afirmou o presidente, em um evento na inauguração de um trecho da ferrovia Norte-Sul, em São Simão (GO). Bolsonaro criticou as medidas de restrições impostas por governadores e prefeitos para tentar conter o agravamento da crise sanitária. “Até quando vamos ficar dentro de casa? Até quando vai se fechar tudo? Ninguém aguenta mais isso”, disse Bolsonaro.

  • País pode virar ‘celeiro’ do vírus com avanço de novas variantes
  • PEC do auxílio abre brecha para blindar verbas de militares
  • Núcleo do MP que denunciou ‘rachadinhas’ no Rio é encerrado
  • 10 milhões de senhas do Brasil são expostas
  • 14 mil podem ficar sem remédio de maconha

 

 

 

 

 

 

 

O Globo

Estados ‘no limite’ cobram vacinas, mas imunização vai continuar lenta

 

 

 

 

 

 

  • BRT, uma estuda de vírus
  • PEC pode pôr em risco dedução de gastos no IR
  • PSL trava acordo de Arthur Lira em comissões na Câmara
  • “Chega de frescura, de mimimi. Vão ficar chorando até quando?”, diz Bolsonaro