terça-feira, 28

de

setembro

de

2021

ACESSE NO 

Bolsonaro fala em criar ministérios, surge nova vacina e Saúde fecha mais doses com Butantan, em destaque neste sábado

Últimas Notícias

- Ads -

Sábado, 30 de janeiro de 2021

 

 

O Globo

 

Manchete: Bolsonaro promete recriar ministérios, e Centrão cobra pastas mais ricas

Presidente cita Cultura, Esporte e Pesca, mas aliados pedem orçamentos maiores

Ás vésperas de deflagrar uma reforma ministerial que vinha negando nos últimos dias, o presidente Jair Bolsonaro disse ontem que estuda recriar os ministérios da Cultura, do Esporte e da Pesca. Dois anos depois de prometer em campanha limitar em 15 postos o seu primeiro escalão para não ceder ao “toma lá, dá cá” dos partidos, ele chegaia a 26. A dois dias das eleições para a presidência da Câmara e do Senado, Bolsonaro vive sob a pressão de dar mais espaço no governo aos partidos de Centrão, que negociam, contudo, assumir pastas com orçamento mais gordo. PÁGINA 4

 

 

 

  • Bloco de Lira ‘engarrafa’ na busca por cargos
  • Banco do social, Caixa abrirá 75 agências
  • Iguais: Neurocientistas Gina Rippon derruba mito de que homens e mulheres têm cérebros diferentes
  • Chico César: “Eu me sinto frustrado quando gostam de mim só pela posição política”
  • Libertadores – Decisão paulista no palco carioca

 

 

 

  • Surge nova vacina; Saúde fecha mais doses com Butantan
  • União Europeia vai controlar exportação de imunizantes
  • Com vacinação, Rio passou a aglomerar mais
  • Afastamento por transtorno mental dispara na pandemia

 

 


 

Folha de S. Paulo

 

 

Manchete: SP anuncia que começará a vacinar idosos no dia 8

Estado desiste de usar agora todo o estoque e confirma aplicação de 2ª dose

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou ontem que o estado começará a vacinar contra a Covid-19, a partir do dia 8 de fevereiro, 206 mil pessoas com 90 anos ou mais e que não são moradores de asilos.

Uma semana depois, a partir do dia 15, mais 309 mil com 85 anos ou mais passarão a receber o imunizante.

Doria não deu data para o início da vacinação em idosos com menos de 85 anos, mas afirmou que fazem parte do grupo prioritário.

A segunda dose será aplicada exatamente 28 dias após a primeira. Sem respaldo do Ministério da Saúde, o estado desistiu da ideia de usar todo o estoque disponível com a dose inicial.

São Paulo vinha cobrando do governo federal a compra de 54 milhões de doses adicionais da Coronavac. Com o impasse, o Instituto Butantan chegou a dizer que poderia exportar esse montante.

Ontem à noite, a Saúde confirmou a aquisição dos fármacos, que serão distribuídos pelo Programa Nacional de Imunizações. SAÚDE B1

 

 

  • Imunizante da Janssen de dose única é eficaz, mas proteção contra novas variantes preocupa
  • Cai liminar que vetava reabertura de escolas paulistas
  • Matrículas em creches têm 1ª queda em 20 anos
  • País produz 5% dos insumos farmacêuticos que consome

 

 

 

  • Ernesto mira China ao citar ascensão ‘tecno-totalitária’
  • Bolsonaro vincula pastas a eleição no Congresso
  • Médico suspeito de matar por leito é preso na Itália
  • Contra o constrangimento, Maia tenta manter apoio do DEM a Baleia
  • Mourão demite assessor que conspirou contra presidente
  • Caminhoneiros tentam fazer nova greve na 2ª
  • Casos de traumas sobem e disputam leitos com vírus
  • Palmeiras e Sanos duelam por troféu de Libertadores única

 

 

 


 

O Estado de S. Paulo

 

 

Manchete: Bolsonaro fala em criar ministérios se vencer eleições no Congresso

Presidente vinculou volta de Esporte, Cultura e Pesca a vitória de seus candidatos

A três dias das eleições para as presidências da Câmara e do Senado, o presidente Jair Bolsonaro vinculou a vitória dos candidatos apoiados pelo governo à recriação de ministérios como Esporte, Cultura e Pesca, pastas que foram extintas por ele e viraram secretarias. Bolsonaro pretende fazer uma reforma em sua equipe nesse terceiro ano de mandato, mas negocia com o Centrão apoio a Arthur Lira (Progressistas-AL) para a presidência da Câmara e Rodrigo Pacheco (DEM-MG) para o comando do Senado. A eleição ocorrerá segunda-feira. “Se tiver o clima no Parlamento, (porque) ao que tudo indica as duas pessoas que nós temos simpatia devem se eleger, não vamos ter mais uma pauta travada”, disse Bolsonaro, em evento no Planalto. Conforme revelou o Estadão, o governo liberou R$ 3 bilhões em verbas extras para atender parlamentares. Além do baixo clero, o governo privilegiou “caciques” do Congresso. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), foi quem recebeu a maior fatia do dinheiro “extra” destinado a redutos eleitorais por indicação política. Até o presidente do PSD, Gilberto Kassab, que não tem mandato mas é uma liderança do Centrão, pôde indicar verbas para obras. POLÍTICA / PÁGS. A4 e A6

 

 

  • Liminar cai e volta às aulas em SP começa segunda-feira
  • Vacinação de idoso no Estado se inicia no dia 8
  • Johnson anuncia vacina com eficácia de até 66%
  • Governo quer acelerar aprovação de Sputnik V

 

 

  • Por caminhoneiro, Economia estuda corte de isenções
  • PF abre investigação sobre ações de Pazuello
  • EUA apuram elo de republicanos com radicais
  • Palmeiras e Santos fazem hoje a final da Libertadores