Audiência pública vai discutir mudança de nome da escola da Barra Mansa

Célio Galeski defende a mudança de nome/ Sérgio Teixeira da Silva /Divulgação

Projeto tem gerado polêmica na Câmara de Canoinhas

 

 

 


ESCOLA DRANKA

Travou mais uma vez a segunda votação do projeto de lei que retira o nome de Evaldo Dranka da Escola Municipal do distrito da Barra Mansa. Ela deveria acontecer ontem.

 

 

Vereador Paulo Glinski (PSD) pediu que a comunidade se expresse de maneira mais clara sobre qual seu desejo em relação ao nome da escola. “Temos dois documentos, e sem fazer juízo de valor, são dois entendimentos contraditórios”. Glinski sugeriu uma audiência pública para discutir o nome da escola. “Seria um modo mais justo do que se votarmos o projeto aqui sob risco de cometer uma injustiça”, frisou.

 

 

 

Autor da proposta, Célio Galeski (PL) acatou a sugestão de Glinski, deixando claro que ele não tem nada contra ninguém. Lembrou que na semana passada a família Dranka procurou os vereadores para protestar contra a mudança do nome.

 

 

 

Os demais vereadores aprovaram a retirada do projeto de pauta. 

 

 

 

Segundo Galeski, o projeto só volta a votação depois da audiência pública.

 

 

 

A Escola da Barra Mansa, criada em 1999. Em 2010, o ex-vereador Wilson Pereira (MDB) sugeriu homenagem ao doador do terreno no qual funciona a escola, Evaldo Dranka, e assim se fez. Agora, um novo prédio está sendo construído em outro terreno, comprado pelo Município, para sediar parte da escola. Apesar de ter dois prédios, a escola manterá o mesmo nome. A inauguração do novo prédio está marcada para 20 de setembro. Como terá nome único, o projeto altera a denominação de Escola Osvaldo Dranka para Escola Municipal de Barra Mansa. Parte dos moradores apoia o projeto, outra parte quer que cada prédio tenha um nome, mantendo Evaldo Dranka como denominação do antigo prédio e Escola Municipal Barra Mansa para o novo prédio.

 

 

 

  

Na primeira votação, o projeto passou com abstenção de Norma Pereira (PSDB).

 

 

 

 

Evaldo Dranka era morador da localidade de Barra Mansa, e no ano de 2000 fez a doação de aproximadamente 10 mil m² de área para que pudesse ser construída a escola. No ano de 2008, Dranka faleceu em sua casa, com 78 anos de idade.

 

 

 

 

“Esse projeto não provocará prejuízo nenhum ao servidor”

do vereador Paulo Glinski (PSD), garantindo que o projeto que deve ser chancelado na Câmara só traz bondades aos servidores

 

 

 

 

 

ADOTE UMA PRAÇA

Prefeito Beto Passos publicou decreto que estabelece normas para se adotar uma praça em Canoinhas.

 

O decreto objetiva a participação espontânea de pessoas físicas ou jurídicas, interessadas em preservar espaços públicos, em conjunto com a Administração Pública Municipal, através de Termo de Parceria.Poderão ser objeto do Programa “Adote uma Praça”, áreas verdes, parques, jardins, praças, rotatórias, canteiros centrais de avenidas, pontos turísticos e outros bens de propriedade no Município.

 

O interessado deverá oficiar o Chefe do Poder Executivo Municipal, descrevendo os serviços que pretende realizar no local por ele escolhido.Poderá fazer proposta para execução de serviços de conservação, obras e manutenção do local, bem como executar serviços de limpeza, dentre outros serviços.

 

 

 

VETO 

Vereadores de Três Barras derrubaram ontem por 8 votos a 2 veto do prefeito Luiz Shimoguiri (PSD) a projeto de lei aprovado na Câmara que equipara os reajustes salariais dos professores aposentados aos da ativa.

 

 

 

Segundo Marco Antonio de Sousa (MDB), não há inconstitucionalidade na aprovação do projeto porque o próprio Supremo Tribunal Federal já reconheceu a isonomia.

 

 

São 34 os professores aposentados hoje em Três Barras.

 

 

 

 

É LEI

Passos também publicou determinação para que seja disponibilizado no site da prefeitura de Canoinhas um link de fácil acesso para relação dos contratos de locação de móveis e imóveis celebrados por órgãos e entidades públicas municipais, indicando no mínimo, a qualificação das partes, o endereço e a descrição do imóvel, a finalidade e o prazo da locação, o valor do aluguel e o índice de reajuste.

 



 

 

 

 

VERKA

O mundo gira e voltamos à estaca zero, senão como interpretar a volta de Edmilson Verka à Secretaria de Desenvolvimento Econômico?. “Insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes”, dizia Albert Einsten. No caso de Verka, se considerarmos o que ele fez quando titular da vaga, nada. 

 

 

 

 

EMENDAS

Foram liberados no início deste mês de setembro, pelo Ministério da Saúde, um total de R$ 2,7 milhões para 15 hospitais de diversas regiões de Santa Catarina. O valor é fruto de emendas parlamentares destinadas pelo senador Dário Berger neste ano de 2019.

 

 

 

As instituições hospitalares contempladas estão registradas no Cadastro Nacional de Estabelecimento de Saúde (CNES), e atuam em serviços de atenção básica, média e alta complexidade. Elas poderão utilizar o dinheiro para aquisição de material de consumo, pagamento de energia elétrica e encargos sociais, e folha de funcionários.

 

 

 

 

Na lista dos hospitais, estão 13 entidades, nenhuma do Planalto Norte.

 

 

 

 

IGP

O Instituto de Criminalística do Instituto Geral de Perícias (IGP) de SC lança nesta terça-feira,10, na Secretaria de Estado da Segurança Pública, o “Manual de Orientações à Autoridade Solicitante”. O material vai servir de base para a requisição do exame pericial, dando orientações e informações necessárias a respeito dos diferentes exames realizados pelos 13 setores do Instituto de Criminalística (IC).

 

 

 

Buscando apresentar os exames disponíveis à execução, o Manual foi estruturado em capítulos, sendo cada um deles correspondente a um setor de perícia.

 

 

 

 

 

 

CARTEIRA VIRTUAL

A carteira estudantil digital começará a ser emitida em 90 dias e será ofertada nas lojas Google Play e Apple Store. Com o documento, os estudantes vão poder pagar meia-entrada em shows, cinema, teatro e outros eventos culturais. O prazo começou a contar ontem, com a publicação da medida provisória (MP) que dispõe sobre o pagamento de meia-entrada no Diário Oficial da União.

 

 

 

 

O estudante que solicitar a carteira digital terá que consentir com o compartilhamento dos dados cadastrais e pessoais com o Ministério da Educação (MEC) para subsidiar o Sistema Educacional Brasileiro — o novo banco de dados nacional dos alunos, a ser criado e mantido pela pasta.

 

 

 

 

 

 

“O partido local vai ter sua participação, mas a palavra final vai ser nossa”

do presidente Jair Bolsonaro (PSL), determinado a se envolver na escolha dos candidatos a prefeito pelo PSL nas maiores cidades do País

 

 

 

 

 

PERDA

Foto do arquivo da família postada no Facebook da deputada Ada Faraco de Luca

Quando tentava convencer Leoberto Weinert (MDD), quando então prefeito de Canoinhas, a continuar com a Casan – o prefeito estava decidido a municipalizar o serviço – o então presidente da estatal, Walmor de Luca, prometeu mundos e fundos. Escolado, Weinert não acreditou em nenhuma das promessas. Acabou cedendo por uma questão legal.

 

 

 

 

Afável e bom de conversa, Walmor fez um périplo por várias cidades catarinenses para tentar convencer prefeitos sobre as boas intenções da Casan. Em vários casos parece que funcionou e de fato hoje a Casan oferece um serviço melhor que à época. Quanto do legado de Walmor há nisso, sou incapaz de responder.

 

 

 

 

Ex-deputado federal, Walmor de Luca, que era marido da deputada estadual Ada Faraco de Luca (MDB), morreu na manhã desta segunda-feira, 9. A sessão plenária desta terça-feira, 10, da Alesc, será suspensa para que os deputados possam participar das últimas homenagens.




Deixe seu comentário: