Alopecia androgenética: o que é?

A calvície masculina geralmente começa com as entradas no couro cabeludo

 

 

A alopecia androgenética, popularmente conhecida como calvície, tem determinação genética e hormonal, atinge as mulheres em proporção muito menor do que os homens – estima-se que 50% dos homens e pouco mais de 5% das mulheres – , e deixa-os parcialmente ou totalmente calvos.

 

 

A calvície masculina geralmente começa com as entradas no couro cabeludo, e pode afetar também o vértex (coroa capilar), já nas mulheres a queda ocorre mais na região central da cabeça.

 

 

Há meninos com 16 anos de idade e quadro inicial e até mesmo avançado de calvície, e mulheres na faixa etária de 18 a 22 anos também com calvície incipiente, que, se não tratada rápido, gera grande rarefação capilar.

 

 

Na calvície, a testosterona é convertida em di-hidrotestosterona (DHT) pela ação de uma enzima chamada 5-alfa-redutase, e o DHT provoca no bulbo capilar uma miniaturização dos fios, que vão encurtando e ficando mais finos até desaparecerem.

 

 

 

Se não há mais bulbos capilares viáveis, não há como recuperar os cabelos, por isso é importante procurar um médico o mais precocemente possível. Quem tem na família pais, tios ou avós, que têm calvície, e sentir que está perdendo cabelo de maneira exagerada, deve procurar um médico, pois o problema é de caráter genético.

 

 

 

Outros causas de perda capilar

Existem outros tipos de queda de cabelo que não de origem genética, como, por exemplo, oriunda de anemia, de algumas patologias, como as da tireoide e de lúpus eritematoso sistêmico, por deficiência de ferro e de alguns outros minerais e vitaminas. Fatores como envelhecimento e problemas emocionais (estresse) podem aumentar a chance de alopecia.

 

 

Esses tipos de perdas capilares são mais fáceis de serem resolvidas do que a genética, apesar disso, existem tratamentos bastante efetivos para esta.

 

 

Com a menopausa a mulher sofre várias transformações na pele e nos fâneros (cabelos e unhas), o cabelo fica mais frágil e quebradiço, e pode cair mais – o normal é perder de 50 até 150 por dia.

 

 

São diversas as causas que podem levar à queda de cabelo feminina, mas, principalmente estresse, relaxamentos químicos (que se realizados de maneira inadequada enfraquecem os cabelos, deixando-os mais quebradiços e susceptíveis à queda), e patologias infecciosas e imunológicas.

 

 

Procedimentos químicos capilares  feitos à base de hidróxido de sódio podem provocar enfraquecimento generalizado no cabelo e queda acentuada dele. Hoje, o que se deve utilizar é uma substância chamada guanidina, que é segura, porém, para isso deve-se procurar um profissional habilitado e experiente.

 

 

Alguns medicamentos podem levar à queda de cabelo, praticamente quase todos os utilizados para o tratamento do câncer, além de alguns antibióticos e hormônios (os corticosteroides), estes em excesso podem levar ao enfraquecimento do bulbo capilar e à queda dos fios.

 

 

O clima não influencia na calvície, já que ela é determinada geneticamente e hormonalmente.

 

 

Uma alimentação pobre em proteínas, minerais (principalmente ferro) e vitaminas – a maioria dos industrializados é rico em sódio, açúcares, conservantes, aromatizantes, e do ponto de vista nutritivo são pobres – pode colaborar para a perda dos fios.

 

 

 

Tratamentos para a calvície

De acordo com estudos científicos, tratamentos a laser podem ser bastante efetivos para tratar a calvície tanto no homem quanto na mulher, desde que existam bulbos capilares viáveis.

 

 

Sessões com o laser fraxel podem ser feitas quinzenalmente nas áreas em que a calvície está se desenvolvendo, também podem ser aplicados ativos no local, como minoxidil, finasterida, proteínas, e alguns minerais, fortalecendo grande parcela dos fios.

 

 

Alguns tratamentos reduzem a queda, como, por exemplo, o com finasterida, porém, dentre os possíveis efeitos colaterais dessa medicação constam impotência sexual e diminuição da libido, mas, interrompido o uso dela, cessam as reações adversas.

 

 

O noni é uma fruta riquíssima em minerais e vitaminas, e ajuda no equilíbrio hidroeletrolítico do organismo, e isso se reflete na pele e no cabelo. Assim, pode haver melhora dos fios e no nascimento dos cabelos.

 

 

O pantogar não acarreta efeitos colaterais, trata-se de uma combinação de aminoácidos e minerais, porém, a maioria desses nutrientes pode ser suprida com uma boa alimentação.

 

 

 

Revisão médica por Dr. Adilson da Costa, CRM 91128, dermatologista.

Deixe seu comentário: