Alesc cria Frente e Fórum do Setor Madeireiro, Moveleiro, Celulose e Silvicultura

Rodolfo Espínola/Agência AL

Entre os objetivos anunciados pela frente e pelo fórum estão sugerir e acompanhar as políticas públicas e obras

 

 

 


FRENTE

Atendendo aos requerimentos dos deputados Valdir Cobalchini (MDB) e Milton Hobus (PSD), foram lançados na tarde desta quarta-feira, 12, na Assembleia Legislativa, a Frente e o Fórum Parlamentar, respectivamente, de apoio aos setores madeireiro, moveleiro, celulose e silvicultura. A solenidade de lançamento dos novos colegiados ocorreu no Plenarinho Paulo Stuart Wright e contou com a presença de representantes do segmento de base florestal, além de expressiva participação de deputados.

 

 

 

Entre os objetivos anunciados pela frente e pelo fórum estão sugerir e acompanhar as políticas públicas e obras de infraestrutura que garantam a competitividade logística e o desenvolvimento econômico sustentável dos segmentos. “O setor moveleiro e madeireiro é muito forte e muito importante para a economia de Santa Catarina, e queremos poder discutir suas dificuldades e criar um canal de interlocução com o governo do Estado”, disse Cobalchini, que foi eleito coordenador da frente. Milton Hobus, que não estava presente devido a compromissos empresariais em Rio do Sul, foi eleito presidente do fórum.

 

 

 

Presente ao evento, o diretor-executivo da Associação Catarinense de Empresas Florestais (ACR), Mauro Murara, apresentou números do setor e alertou os parlamentares de que Santa Catarina conta com 31% da sua superfície florestal formada por mata nativa Atlântica, a segunda maior do Brasil, que são preservadas devido ao relevo e à legislação ambiental. Murara disse que esse percentual pode representar recursos por meio da moeda verde. “Temos que buscar compensação financeira para o Estado por meio do Código Ambiental e Florestal.”

 

 

Os setores madeireiros, moveleiro, celulose e silvicultura geram 90 mil empregos em 5,5 mil empresas de pequeno, médio e grande porte em Santa Catarina, ocupando uma área de 850 mil hectares e eles precisam contar com apoio parlamentar na defesa de legislações que beneficiem todo o estado, enfatizou Cobalchini. Ele destacou que a frente e o fórum atuarão em demandas como questões tributárias, ambientais, benefícios fiscais e aprimoramento das legislações que afetam esses setores. “Temos que estimular o crescimento destas empresas, sem privilégios, mas com justiça, e para que elas permaneçam nas regiões onde estão gerando emprego e renda.”

 

 

 

Também integram a frente e o fórum Silvio Dreveck (PP), Coronel Mocellin (PSL), José Milton Scheffer (PP), Maurício Eskudlark (PL), Jerry Comper (MDB), Moacir Sopelsa (MDB), Marcius Machado (PL), Fabiano da Luz (PT), Luciane Carminatti (PT), Volnei Weber (MDB), Nilso Berlanda (PL), Sergio Motta (PRB), Ricardo Alba (PSL), Felipe Estevão (PSL),  Paulinha (PDT), Dr. Vicente Caropreso (PSDB) e Marlene Fengler (PSD).

 

 

 

 

EQUIPARAÇÃO

A Câmara de Três Barras admitiu nesta quarta-feira, 12, projeto de lei complementar que permite a equiparação salarial dos professores da rede municipal de ensino ao piso nacional. Vereador Marco Antonio de Souza (MDB) propôs que se estenda o piso nacional aos aposentados e inativos do Município. O Município rechaçou a emenda considerando que não cabe ao Legislativo aumentar despesas para o Governo. “Há indicação nesse sentido na legislação nacional”, disse o vereador. “Como é a extensão de um direito assegurado pela Constituição Federal, não há vício de origem”, afirmou o vereador.

 

 

Aprovado, o parecer será encaminhado a Comissão de Educação para parecer.

 

 

 

 

CONTROLADOR INTERNO

Ainda na sessão desta quarta, os vereadores tresbarrenses aprovaram a criação do cargo de controlador interno na estrutura da Câmara de Vereadores de Três Barras. O projeto ainda reestrutura a nomenclatura de outros dois cargos.

 

 

 

 

 

CONVÊNIO

Vereadores de Canoinhas encaminharam requerimento a Associação dos Municípios do Planalto Norte (Amplanorte) tendo em vista a falta de médicos peritos para atender Canoinhas e região e as dificuldades dos segurados e familiares para se deslocarem a outros municípios para realizarem perícias.

 

 



Vereadores solicitam que o município e a Amplanorte manifestem  interesse na celebração de um convênio com o INSS para propiciar perícias médicas dentro das regras da Portaria Interministerial nº 3, de 10 de maio de 2016, que Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), a Estratégia de Ação conjunta para a Participação do SUS na realização de perícias para concessão e manutenção do auxílio-doença aos segurados do Regime Geral de Previdência Social.

 

 

 

 

 

DESARMAMENTO

O deputado catarinense Rogério Peninha Mendonça (MDB) divulgou em seu site a atualização de um placar que mostra o posicionamento dos parlamentares em relação ao seu projeto de lei que revoga o Estatuto do Desarmamento, o PL 3722. Até esta terça-feira, 11, entre os deputados, 31,8% manifestaram-se favoráveis ao texto, 25,5% declaram-se contrários e 42,7% seguem indecisos. Com o Congresso mais conservador, o autor do projeto acredita que as chances de aprovação sejam significativamente maiores.

 

 

 

 

CURSO

Vereador Coronel Mario Erzinger (PL) protocolou oficio ao prefeito Beto Passos (PSD), a secretária municipal de Administração, Morgana Dirschnabel Lessak e ao secretário de Obras Gilmar Martins, solicitando que seja estabelecida uma parceria ou contratação de técnicos das empresas que forneceram máquinas e equipamentos novos a Prefeitura para que todos os operadores destes equipamentos recebam treinamento e instrução específica fornecida pela empresa e ou fabricante, considerando as peculiaridades técnicas de operação e, principalmente, tecnológicas desses novos equipamentos. Foram investidos mais de R$ 5 milhões na compra de 13 novos equipamentos.

 

 

 

 

 

GREVE

Servidores estaduais da Saúde de Mafra prometem aderir à greve nacional contra a Reforma da Previdência marcada para esta sexta-feira, 14.

 

 

 

 

10

armas são registradas por dia em SC, de acordo com a Polícia Federal

 

 

 

 

DINHEIRO MENOS DECISIVO

Em 2018, os gastos com a campanha eleitoral foram menos decisivos para a eleição de deputados federais que em pleitos anteriores. A conclusão é de estudo da Fundação Getulio Vargas (FGV) em parceria com a Fundação Brava. A pesquisa analisou despesas e arrecadações nas disputas para a Câmara desde 2002.

 

 

O último pleito foi o primeiro em que se observou queda na concentração de recursos pelos que conquistaram o cargo. De 2002 a 2014, os deputados federais eleitos responderam por uma média de 62% de tudo o que foi gasto na campanha à Casa. Em 2018, esse percentual caiu para 44%.

 

 

Ainda foi reduzida pela metade a disparidade entre os gastos de homens e mulheres, considerando todos os candidatos. Em 2014, os homens gastaram R$ 1,2 bilhão a mais. No ano passado, a diferença ficou em cerca de R$ 550 milhões.

 

 

A desigualdade de gastos entre candidatos brancos, negros e pardos também caiu.

 

 

Deixe seu comentário: