Agricultores devem ir à escritórios da Epagri para ter acesso à crédito


Divulgação/Epagri

Programa Menos Juros Recupera SC  foi criado para minimizar os prejuízos nos meios rural e pesqueiro

 

 

Agricultores familiares e pescadores artesanais atingidos pelo ciclone extratropical que atingiu o Estado no dia 30 de junho já podem procurar os escritórios municipais da Epagri para acessar o Menos Juros Recupera SC, programa criado pela Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural (SAR) para minimizar os prejuízos nos meios rural e pesqueiro.

 

 

 

Com ele, A SAR vai subsidiar até 4% dos juros anuais em financiamentos captados via Plano Safra, para agricultores que tenham sofrido prejuízos com o vendaval. “Dentro do Plano Safra, existem vários linhas de crédito, como a do Pronaf, por exemplo, que tem juros de 2,75% e 4% ao ano. Assim, se a captação do financiamento for via Pronaf, o agricultor não vai pagar juros”, esclarece Hoilson Fogolari, coordenador do Programa Políticas Públicas da Epagri.

 

 

 

O programa Menos Juros Recupera SC subsidia juros por um período de até oitos anos. A SAR disponibilizou para o programa recursos para a subvenção dos juros que poderão alavancar R$ 20 milhões em investimentos no setor agrícola. O limite de crédito por unidade de produção familiar e de R$ 40 mil. Para acessar o crédito, o agricultor vai precisar de um projeto desenvolvido pelos técnicos da Epagri, por isso a necessidade de procurar um escritório da instituição o quanto antes.

 

 

 

A linha de financiamento a ser acessada vai ser definida pelo enquadramento do beneficiário. Qualquer atividade agrícola ou pesqueira atingida poderá se beneficiar do programa, mas a verba só pode ser investida na recuperação de itens da cadeia produtiva (pomares, galpões, barcos etc) e não na reforma das residências eventualmente prejudicadas pelo vendaval. O agricultor vai buscar o financiamento no banco de sua preferência, desde que ele ofereça as linhas de crédito do Plano Safra. “O que é o caso da maioria das instituições financeiras”, informa Hoilson.

 

 

 

PREJUÍZOS

A Epagri concluiu o Relatório Preliminar Emergencial Detalhado de Perdas na Agricultura e Pesca Catarinenses Relacionado ao Evento, que aponta um prejuízo total de R$ 588,3 mil nos dois setores.

 

 

 

De acordo com o documento, a região de Joinville teve as maiores perdas financeiras na agricultura ou na pesca, no valor de R$ 187,3 mil. Em seguida aparecem as regiões de Criciúma, Itajaí, Rio do Sul e Florianópolis.

 

 

 

Corupá, no Norte do Estado, foi o município com as maiores perdas no meio rural, que somaram mais de R$ 70 mil. O município que sofreu os menores prejuízos foi Flor do Sertão, no Oeste do Estado, onde as perdas foram de R$ 490.





Deixe seu comentário: