2019, o ano do veganismo

Tendência comportamental conquista novos adeptos a cada dia

 

 

Conforme a The Economist, 2019 será o ano do veganismo. A publicação “The World in 2019”, que aborda e discute tendências e projeções, traz que 2019 será o ano do veganismo, prevendo assim um crescimento em relação à popularidade e adesão de uma filosofia de vida que rejeita o uso e consumo de produtos de origem animal.

 

 

 

Conforme a publicação inglesa, tudo indica um “maior interesse em um modo de vida em que as pessoas evitam não apenas carne e couro, mas todos os produtos de origem animal, incluindo ovos, laticínios, lã e seda”, informou a The Economist. Consequentemente o mercado já está se adaptando para atender essa nova realidade.  Empresas estão reconhecendo que precisam se adaptar, atendendo a uma crescente demanda por parte de pessoas que rejeitam o consumo de produtos de origem animal.

 

 

 

No Brasil, 14% da população se declara vegetariana, segundo pesquisa do IBOPE Inteligência conduzida em abril de 2018. Nas regiões metropolitanas de São Paulo, Curitiba, Recife e Rio de Janeiro este percentual sobe para 16%. A estatística representa um crescimento de 75% em relação a 2012, quando a mesma pesquisa indicou que a proporção da população brasileira nas regiões metropolitanas que se declarava vegetariana era de 8%. Isto representa quase 30 milhões de brasileiros que se declaram adeptos a esta opção alimentar.

 

 

 

 

Reeducação alimentar

O veganismo deriva da alimentação ovo-lacto-vegetariana, e prega uma filosofia de vida que rejeita o uso e consumo de produtos de origem animal. Toda reeducação e transição alimentar requer o acompanhamento de um especialista no assunto, médicos ou nutricionistas que possam lhe auxiliar no processo de reeducação e substituição alimentares, garantindo saúde.

 

 

 

Uma alternativa acessível são os guias alimentares vegeterianos e veganos, disponibilizados em e-book grátis ou versão impressa paga, pelo site da Sociedade Vegetariana Brasileira. Ao contrário do que se pensa, todas as fontes nutricionais vegetais são boas e adequadas para a dieta humana tanto quanto as fontes animais.

 

 

 

O processo de reeducação alimentar deve ser realizado aos poucos, respeitando o tempo do seu corpo e de sua mente, uma alimentação mais consciente também resulta em uma mente e corpo mais conscientes e saudáveis.

 

 

 

Veganismo no interior

Mesmo sendo uma tendência comportamental que encontra mais adeptos em grandes cidades, aqui pelo interior também encontramos algumas pessoas adeptas a tal estilo comportamental. Existem lojas e estabelecimentos que acompanhando a demanda do mercado, já disponibilizam opções de comidas e diversos produtos aptos aos veganos.

 

 

 

Gostou desse conteúdo? Acompanhe mais sobre veganismopelo instagram@veganointeior

Deixe seu comentário: